domingo, 2 de agosto de 2015

DIVULGAÇÃO

Hey Meninas,passei aqui para divulgar minha mais nova fic,lembrando que não é uma criação minha,estou adaptando e espero de coração que todas vocês gostem e me sigam lá também Meu Amado Tio bom é isso espero vocês lá 
xoxo 

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Capítulo 18 - Último

Os dedos de Selena afrouxaram o aperto e Vanessa conseguiu libertar o braço.
Avançou em passos largos pelo corredor que conhecia tão bem, e logo avistou a mesa de Lily, ou ao menos, a mesa onde Lily deveria estar trabalhando. Logo a sua frente a grande e alta porta apareceu. Não importava quanto tempo ele fosse demorar, ela esperaria e por fim colocaria os pingos nos “is”. Vanessa sorriu e colocou a mão na maçaneta respirando fundo. A partir dali era tudo ou nada!
- Zachary! - A voz manhosa de Lily lhe chegou aos ouvidos – Por favor...
Vanessa empurrou a grande porta que se abriu sem o menor sinal de barulho ou ruido. E então o chão que até pouco tempo atras estivera abaixo dos seus pés desapareceu. Seu coração começou a bater freneticamente e sua respiração falhou... Agora entendia o motivo da insistência de Selena.
Por Deus onde ela estava com a cabeça ao acreditar que podiam tentar ter um casamento de verdade? Ao acreditar em tudo o que Zachary dissera? Céus como era idiota!
As lagrimas queimaram seus olhos e a garganta se fechou implorando por um soluço. Ela engoliu seco. Não faria isso... Não iria chorar não ali!
Ela ficou ali enquanto via Lily, apenas de sutiã e com uma saia que não cobria quase nada, beijar seu futuro ex-marido. Zachary tinha as mãos nos ombros dela e parecia tentar falar alguma coisa enquanto a vadia continuava lhe beijando com volúpia.
- Lily... - Zachary enfim conseguiu dizer e ela se afastou para encará-lo.
- Sii... - ela perdeu a fala e de pronto a expressão de seu rosto ficou petrificada de... assombro.
Dali em diante tudo aconteceu bastante rápido. Vendo o olhar apavorado que Lily lançava para a porta Zachary se virou para encontrar o par de olhos castanhos que o olhava com indiferença.
- Vanessa! - ele sussurrou levantando da cadeira com um pulo.
A camisa dele e o cinto estavam abertos, Vanessa pode perceber:
- Surpresa! - ela disse com as mãos na cintura e a voz carregada de ironia – Eu vim lhe mostrar o meu novo visual Zachary... - ela disse mexendo nos cabelos – O que achou?
- Não é nada do que você esta pensando. Calma, eu posso explicar! - ele disse com a mão estendida em sua direção
- Mas eu não falei nada. - ela disse dando de ombros sem esconder a ironia – Desculpe ter chegado assim sem avisar. - ela fez uma careta – Não queria ter atrapalhado vocês.
- Vanessa... - ele começou a falar mas ela o interrompeu
- Não se de ao trabalho Zachary. - ela disse com a voz firme – E tente recuperar um pouco da compostura... - ela disse sinalizando a sua roupa – … prometo nunca mais interrompê-los. - ela apertou a bolsa com força e girou os calcanhares caminhando de pressa pelo corredor.
- Vanessa espere! - ele gritou apavorado enquanto tentava ficar apresentável para poder ir atras dela.
Ela não parou pelo contrário continuou andando ainda mais rápido e quando as portas do elevador se fecharam logo atrás de si ela respirou fundo. Não iria aguentar aquilo... nunca.
Ela desceu do elevador e pegou a chave do carro na bolsa de Ashley.
- Vanessa! - Gritou Zachary alguns metros atras dela.
Ela não parou, apenas ergueu o queixo e continuou andando depressa. Ele corria e ela sabia que ele devia ter descido pelas escadas do prédio. Ela estava nervosa demais e demorou mais tempo do que pretendia com a chave para destrancar a porta. Quando sentou-se no banco trancou todas as portas e ligou o motor. A mão grande e pesada de Zachary bateu no vidro com força.
- Vamos conversar, por favor! - ele pediu quando chegou até a janela do carro, ofegante.
- Não temos mais o que conversar. - Ela garantiu e viu pelo espelho retrovisor Chris, Ashley e Selena também correndo na direção deles.
- Dessa desse carro e vamos conversar por favor! A Lily esta louca ela...
- Deixa eu adivinhar: ela te agarrou, te beijou tirou a própria blusa e abriu o seu cinto.
- Isso! - ele gritou com enfase – Eu não pude fazer nada.
- Sim, claro, afinal você só é uma dez vezes maior e mais forte que ela! Agora saia de perto do carro, caso contrário não pensarei duas vezes antes de atropelar o seu pé. - ela o alertou
- Você vai para casa?
- Sim. Vou pra minha casa.
- Ótimo... - ele disse respirando fundo -... vou pegar o meu carro e nos encontramos lá.
- Acho que você não entendeu... Eu disse a minha casa, não a sua.
Todo o corpo de Zachary tremia de pavor:
- O que isso quer dizer?
- Não aguento mais Zachary. Estou indo embora. - ela disse sentindo as malditas lagrimas caírem de seus olhos e o voz ficar tremula de repente
- Não. - ele gritou dando outro tapa no vidro – Abra esse carro! Você não pode ir embora! Não pode me deixar!
- Não se preocupe. - ela pediu respirando fundo – Vou deixar que diga para a imprensa que foi você quem pediu o divorcio e quanto ao dinheiro, os quinhentos mil de adiantamento, eu prometo devolvê-lo assim que puder e...
- Que se dane! - ele gritou batendo a mão no vidro novamente – Você não pode me deixar, eu te amo!
As três palavras que Vanessa tanto queria ter ouvido nos dois meses e meio que haviam se passado, agora a machucavam como facadas. Reunindo todo o resto de resistência que ela ainda tinha, falou:
- Isso foi um acordo entre nós, fez sua parte e agora o acordo acabou, então por favor saia de perto do carro!
- Vanessa! Volte! - ele gritou enquanto ela manobrava o carro e arrancava em direção a autoestrada.
- Zachary? - Chris gritou parando ao seu lado – O que houve?
- Lily! - ele gritou sentindo a voz falhada e vendo o carro de Vanessa se afastar cada vez mais – Eu... fiz o que a Vanessa pediu, eu a despedi e então ela riu e tirou a blusa, se jogou em cima de mim e começou a me beijar, abriu o meu e alguns botões da camisa, quando eu consegui afastá-la Vanessa estava parada na porta nos olhando! - ele disse passando as mãos no cabelo e tendo a sensação que logo seu coração se partiria em dois – E agora ela foi embora! O que vou fazer Christopher ? Meu Deus eu a amo, como não percebi antes?!
Já, há alguns quarteirões dali, Vanessa ultrapassava um sinal vermelho enquanto as lagrimas lhe nublavam a visão e os soluços lhe invadiam os ouvidos como uma melodia dramática e triste.
Não queria mais ficar naquele lugar... naquela cidade. Queria voltar para casa. Para o mundo onde ela podia ter o controle das coisas, ou de quase todas as coisas. No mundo onde Zachary jamais a acharia...
- Mãe? - Vanessa chamou baixinho entrando no pequeno quarto improvisado e bem equipado.
- Filha! Quase não acreditei quando seu pai disse que estava indo te buscar na rodoviária. - ela disse deixando transbordar toda a sua alegria – Achei que você não pudesse vir.
- Estou aqui, não estou? - Vanessa disse a tranquilizando – E vou ficar! Já juntei bastante dinheiro e não preciso mais ficar longe.
- Você esta tão linda. - sua mãe disse lhe acariciando os cabelos – Adorei o novo visual.
- Obrigado mãe.
- Mas... você esta tão abatida, minha filha. Anda se alimentando bem?
- Sim, só estou cansada da viajem. E a senhora mãe? Esta tão magra.
- São os remédios querida, não se preocupe. Mas vamos falar de você! Me conte... e o seu emprego?
- Me demiti. - mentiu – Já juntei o bastante de dinheiro nesses dois meses que estive fora. Lá na cidade, os salários são bem maiores aos daqui.
- Você vai voltar para lá?
- Talvez algum dia eu me sinta preparada para voltar. - ela disse dando de ombros enquanto acariciava as bochechas de sua mãe
- Foi uma tremenda sorte você ter conseguido esse emprego. Eu não sei nem como lhe agradecer.
- Ei, nada disso, você é minha mãe e eu te amo muito. - Vanessa disse com um sorriso no rosto – Não me faça chorar!
- Oh minha vida, - sua mãe disse emocionada – estava com tantas saudades. Mesmo com você ligando todos os dias, meu coração de mãe gritava para ter você aqui perto debaixo da minha asa.
Vanessa abraçou novamente sua mãe com força.
- Assim que a minha imunidade subir e esta infecção desaparecer, vou lhe mostrar a minha nova plantação de orquídeas e roseiras.
- Nova plantação? - Nessa perguntou curiosa tentando apagar a imagem do pequeno jardim que fizera na casa dele.
- Sim. Foi a primeira coisa que eu fiz assim que consegui voltar a andar depois daquela cirurgia. Cirurgia feita graças ao dinheiro que você conseguiu trabalhando. - sua mãe disse carinhosa – Você tem noção que me deu o maior presente que eu poderia receber? Depois de tanto tempo presa a esta cama, finalmente sinto minhas pernas!
Os olhos de Vanessa se encheram de lagrimas ao ver a mãe mechando os dedinhos do pé.
- Então, me conte as novidades. - sua mãe pediu – Como anda a minha filha postiça?
Vanessa riu e começou a contar sobre a gravidez e o casamento de Ashley.
- Espero poder ir no casamento.
- Você vai. - Vanessa garantiu esperançosa.
Dois dias mais tarde, sentada de baixo de uma arvore, Vanessa terminava de ler a carta que Ashley havia lhe enviado contando as novidades:

Marcamos a data do casamento. Sera logo depois do nascimento do bebê. Estou tão contente Vanessa! Finalmente conheci a numerosa família de Chris...”

Mas foi na terceira folha, da “pequena” carta, que o sangue de Vanessa gelou;

Zachary pergunta por você o tempo todo. Já não esta mais acreditando na história de você ter sumido do mapa e que nem eu sei onde você esta. Ele esta magro e abatido desde que você se foi. Chris me disse que talvez ele esteja doente, e também disse que Lily foi demitida naquele mesmo dia. Aquela vadia...
Quando você vai voltar? Estará aqui para o casamento e para o nascimento certo? Estou com tantas saudades irmã...
Te amo. 
Ash.
Pegando um novo papel, Vanessa começou a responder dizendo que estaria lá para o casamento e que junto com ela, levaria a mãe que estava quase curada da infecção. Contou sobre suas próprias novidades ainda que poucas e terminou com um pedido solene:

Não diga em circunstância nenhuma para ele onde eu estou. Não quero vê-lo e não me importa o que ele tenha feito com Lily. Confio em você e sei que não vai me decepcionar. Peça para Chris aprontar logo os papeis do divorcio. Eu te amo, Nessa.

Ele... Ela havia decidido banir definitivamente o nome dele de sua cabeça. Talvez assim junto com o nome, sumisse também a lembrança da voz rouca e sensual, do corpo quente e aconchegante, das mãos grandes e macias, da boca tão... Oh, pare com isso! - ela mesma se ordenou.
Como se por costume, procurou pelo anel em seu dedo para girá-lo, mas não o encontrou. Olhando para as próprias mãos, onde antes estivera a larga aliança, agora estava vazio... Ela estava decidida a diminuir as lembranças dele a qualquer custo, e fora por isso, que deixará a aliança e todos os vestidos e sapatos que ele havia lhe dado. Não queria voltar a vê-lo, e isso era uma escolha sem volta. Já estava doendo de mais ter de lembrar da cena que virá, não precisava de mais mentiras...
Respirando fundo, olhou para o céu coberto de nuvens. Sabia que toda aquela angustia um dia iria passar. Algum dia, teria de passar!
Ela olhou novamente para a carta que tinha entre os dedos. Porque ele estaria procurando-a? Já havia lhe dito que lhe reembolsaria todo o dinheiro assim que pudesse, e era exatamente isso que ia fazer. Não havia motivo para mais desgaste emocional.
Juntando suas coisas, entrou em casa. Não era luxuosa como a dele, nem tinha banheira e piscina, mas era grande, aconchegante e supria todas as necessidades. Tinha um bom chuveiro com água quente, uma cama macia, e apesar da pintura amarelada e antiga das paredes, era igualmente linda.
- Filha? Pode vir aqui? - Sua mãe gritou do quarto
Sem hesitar, Vanessa foi depressa:
- Tudo bem? - perguntou preocupada
- Sim, - sua mãe lhe sorriu – quero conversar com você.
Vanessa sorriu e sentou-se na cama pegando as frágeis mãos de sua mãe e colocando entre as dela. Olhando-a nos olhos a Sra. Hudgens perguntou:
- Esta tudo bem?
- Sim. - Vanessa disse confiante
- Você não me parece bem...
- Estou apenas entediada. Acho que a partir de amanhã vou começar a ajudar o papai no campo. Sabe como é... - ela disse dando uma piscadela – nada mais divertido do que dar umas voltinhas de trator e ordenhar umas vacas.
Sua mãe riu e junto com o riso veio um acesso de tosse.
- Aqui, beba. - Vanessa disse lhe estendendo um copo d`água.
- Obrigada filha. - sua mãe disse quando a tosse cessou – Sabe... - ela disse se ajeitando na cama – talvez tudo isso seja divertido e tudo mais, mas não acho que o seu problema seja diversão.
- Eu não tenho um problema. Estou ótima.
- Tem um coração partido, então?
- Não mãe, eu estou bem. - mentiu mantendo um sorriso no rosto - Não se preocupe comigo, pense somente na sua recuperação.
- Oh, diabos! - sua mãe praguejou – Você parece o seu pai, acha que não falando sobre as coisas, vai conseguir simplesmente esquecer delas e agir como se não existissem.
- Mãe … - Vanessa disse junto com um longo suspiro
- Nada de “mãe” Vanessa Anne. - ela disse com aquele olhar de mãe – Escute... - Vanessa a interrompeu
- Veja mãe, hora do remédio. - ela arregalou os olhos e disse contrariada
- Sua bruxa!
Vanessa apenas riu, começando a preparar as medidas certas de medicação.
Os dias passaram voando. O trabalho que Vanessa vinha fazendo no campo a tirava da monotonia por algumas horas. Mas quando deitava em sua cama, sua cabeça mergulhava num turbilhão de lembranças e recordações que ela mesmo já havia aceitado impossível de esquecer.
- Vanessa? - seu pai gritou descendo da caminhonete – Carta pra você. - ele disse balando o envelope no ar.
Limpando as mãos na camiseta velha, ela correu na direção do pai e lhe pegou a carta. Sem se importar com o envelope, ela o rasgou se sentou-se debaixo de uma arvore qualquer começando a ler. Ashley contava animada da ecografia e descrevia com detalhes o que a medica havia lhe dito. Dizia que ainda não sabia o sexo da criança e que Chris e ela estavam cada vez mais felizes. Pela primeira vez, ela não havia escrito nada sobre Zachary. Absolutamente nada... Nem ao que se referia ao divorcio.
Vanessa suspirou. Afinal, porque ela estava tão desapontada?! Era logico que Zachary já havia esquecido dela há muito tempo. Talvez, estivesse até saindo com Lily. Não importava o problema não era dela. Ela estava exatamente onde queria estar... Na sua casa.
Guardou a carta no bolso de trás das calças jeans sujas, e foi em direção a casa. Mais tarde responderia...
Assim que entrou em casa pode ouvir o telefone tocando, correu para junto do aparelho, e atendeu com a voz mais limpa que pode:
- Alô?
A única resposta que teve foi o silencio do outro lado da linha.
- Alô? Alguém ai? - ela perguntou suspirando
Era impressão dela ou uma respiração podia ser ouvida ao fundo?
- Quem fala? - silencio – Desculpe, vou desligar se não responder. - ela avisou, e de nada adiantou. Quem quer que estivesse do outro lado da linha continuou quieto.
- Tudo bem ai, menina? - seu pai perguntou entrando em casa
- Sim, pai, tudo em ordem. - ela disse colocando o telefone no gancho – Algum engraçadinho passando trote.
- Más noticias da cidade na carta? - ele perguntou tirando o chapéu
- Não, tudo indo bem por lá.
- Quando você vai voltar para lá? - ele quis saber mordendo um pedaço de palha
- Não acho que vá voltar pra lá, não pai. Talvez, tente conseguir o meu antigo emprego.
Seu pai apenas assentiu quieto ainda com a palha na boca.
- Olha menina, não sei o que foi que aconteceu lá, mas se precisar, sabe que pode contar com esse velho não sabe? - ele disse batendo no próprio peito
- Sei sim. - ela disse rindo – Obrigado pai.
- Oh, não me agradeça... na verdade estou aqui meio que por interesse. - ele disse rindo.
- Ah, é? - ela respondeu se fazendo de ofendida – E o que esta a ponto de me pedir desta vez?
- Sabe o velho caminhão de carga? - Vanessa fez uma careta já sabendo o que vinha pela frente – Acho que vai ter que dar uma olhada no motor. Só você entende o motor daquela joça.
Vanessa riu vendo o pai contrariado:
- Tudo bem. Amanhã darei uma boa olhada, agora preciso ir dar uma olhada na mamãe.
- Anne? - ele disse quando ela já estava a alguns passos – Obrigado pela cirurgia dela. - ela sabia de quem ele estava falando - Foi bem cara e eu não conseguiria pagar sozinho.
Vanessa apenas sorriu e continuou andando sentindo o coração pesado. “Agradeça ao Zachary” ela teve vontade de responder para o pai. “Foi ele quem pagou por tudo.”
Zachary...
Permitindo-se pensar nele, ela fechou os olhos por alguns segundos e conseguiu vê-lo nitidamente, como se os dias nada tivessem levado das lembranças. O que ele estaria fazendo agora?
Ela abriu os olhos com raiva de si mesma. Tinha que parar com aquilo imediatamente. Tinha que continuar vivendo sua vida como sempre fora, sem o Zachary por perto. Ele já não mais fazia parte de sua vida... Não mais.
O sol arressem começava a nascer quando ela saiu de casa e foi até o velho galpão, onde estava estacionado o velho caminhão que precisava de concerto. Tirou algumas das peças e colocou-as de molho, aproveitando a oportunidade para lavá-las. Chegou o motor e o arranque, substituiu o óleo do cárter, e repos a água na bateria, aproveitando para engraxar melhor os terminais e os polos, da mesma.
Querendo dar uma boa checada em todo o caminhão, ela não se importou em deitar-se de baixo dele e começar a verificar os freios e suspensões.
Ouviu o som de passos, que se aproximavam e que que pararam a pouca distância:
— Chegou tarde demais para me ajudar, papai. Já estou quase terminando aqui. - ela disse sorrindo – Que tal me alcançar a chave biela 10? - ela pediu esticando a mão para fora.
Novos passos foram ouvidos, e então uma chave de boca pousou em sua mão.
- Pai, eu disse biela e... - ela se interrompeu automaticamente ao perceber que ao invés das botinas velhas e sujas do seu pai, uma par de sapatos italianos e extremamente reluzentes estava no seu raio de visão.
- Oh! - ela exclamou saindo de baixo do carro e se levantando com toda a dignidade que tinha.
Seu coração acelerou e ela teve que lembrar a si mesma de como se respirava. Não podia ser... Ele estava ali!
- Zachary! O que você esta fazendo aqui? - ela disse automaticamente
Ele deu dois passos para frente e então sorriu, piorando a tentativa de se manter calma e coerente de Vanessa.
- Olá Vanessa.
O aroma inebriante da loção pós barba e do perfume dele, invadirão os sentidos de Vanessa a embriagando consideravelmente. Todos os dias que ela lutará pra esquece-lo de nada valeram... Seu esforço tinha ido todo pelos ares.
“Quem ele pensa que é?” - ela perguntou a si mesma
- Como você sabia que eu estava aqui?
Ashley não faria aquilo com ela. Definitivamente não.
- Foi bem dificil. Meus detetives demoraram alguns dias …
- Detetives? Colocou detetives atrás de mim? - ela disse ofendida
- … mas por fim conseguiram. Eu só tive certeza ontem quando eu liguei e você atendeu.
- Foi você que ligou? - ela perguntou chocada
- Sim.
- Porque você esta aqui Zachary? - ela quase gritou - Deixei bem claro que vou lhe pagar um pouco todo mês! Pelo amor de Deus, esse dinheiro nem esta lhe fazendo falta!
- Eu não vim por causa do dinheiro. Vim por sua causa Vanessa. - ele disse dando mais um passo para a frente. Ela recuou dois. - Mas confesso que fiquei surpreso ao saber de tudo sobre sua mãe... Porque não me contou?
- Adiantaria alguma coisa? - ela perguntou amargurada
- Precisamos conversar. - ele pediu agora a fitando seria e intensamente.
- Se é sobre o divorcio, podemos arranjar tudo com Chris e... - ele lhe interrompeu
- Não vai haver divorcio nenhum. - ele disse calmamente.
- Quem você pensa que é? - ela disse finalmente em voz alta - vai haver divorcio! Isso nunca passou de um contrato estupido!
- Nosso casamento foi bem além das coisas judiciais e você sabe.
- Não, não sei, a única coisa que eu sei é que precisava desse casamento. Era a única forma de conseguir o dinheiro para a operação da minha mãe. Eu não tinha outra saída. - ela disse contendo as lagrima e se agarrando em sua única defesa.
O silencio caiu entre eles cheio de significado. Ela olhava para o chão, recusando-se arduamente a encarar Zachary. Quando ele deu mais dois passos, ela não pode mais recuar por estar com as costas coladas a umas das pratileiras velhas e empoiradas de seu pai.
Ele ergueu a mão e a segurou com força pelo queixo, obrigando-a a encara-lo.
- Eu fiz o que você pediu. - ele disse com a voz baixa e casual – Eu demiti Lily...
- Isso já não importa mais. - ela disse tentando afastá-lo sem sucesso – Você não me deve explicações.
- Quando você entrou na sala, - ele disse ignorando seus protestos - eu tinha acabado de demiti-la.
- Que ótimo jeito de agradecer o dela não? - falou ironica
- Você tinha razão. - ele disse ignorando-a novamente – Eu devia tê-la demitido antes, me desculpe Vanessa, você não sabe o quanto eu me arrependo por isso.. - ele disse sincero – Quando eu vi, ela estava se jogando em cima de mim, e quando a empurrei, você estava lá, e então você me olhou daquele jeito e eu me senti o mais cafajeste do mundo todo mesmo não sendo nada daquilo culpa minha. Me desculpe Vanessa! - ele parecia apavorado – Eu queria matar a mim mesmo por não ter lhe ouvido antes, se eu soubesse das intenções dela, eu a teria afastado o máximo possivél. Eu quero você Vanessa, - ele disse colando a testa na dela – e eu não sei nem... nem lhe dizer como um me senti quando você saiu correndo não me dando ouvidos. Volte pra mim Vanessa. - ele pediu – você é a única com quem eu quero estar! A única! Desde o primeiro dia.
Ela balançou a cabeça sentindo as lagrimas começarem a descer pelo seu rosto:
- Você não sabe do que esta falando... - ela disse contrariada.
- Eu sei... - ele disse esfregando o seu nariz no dela - Eu realmente preciso de você.... Olhá... - ele disse se afastando um pouco para pegar um pequeno papel amassado do bolso do palito - … prometi que iria lhe mostrar quando você me contasse o seu segredo. - ele sorriu de novo – Como eu já sei sobre a sua mãe, nada mais justo. - disse lhe estendendo o papel.
Com um certo receio, Vanessa pegou-o e sentiu o coração se encher de esperança quando terminou de ler. No pequeno papel, estava escrito em caligrafia grossa e legível:
Bonita, deliciosa, orgulhosa, encantadora, emotiva, responsável, sincera, mandona e gostosa.
- Era isso que você tanto escrevia enquanto me entrevistava?
- Era. - ele garantiu – Eu não consigo mais sem você Vanessa. E eu não tinha percebido isso até ficar sem esposa. Agora você pode imaginar a minha decepção ao chegar em casa e descobrir que a mulher que eu amo fugiu de mim?
Vanessa ficou sem reação. Sua armadura de cristal que se quebrou completamente e ela se sentiu desprotegida. Queria empurrá-lo, dizer que o odiava e pedir que ele fosse embora, mas não conseguia...
- Volte pra mim, eu sinto a sua falta, eu... eu não consigo mais dormir a noite, céus, - ele praguejou – eu nunca pensei que fosse ser assim.
- Zachary... - ela tentou interrompê-lo
- Só pra você, minha vida quero entregar, sua maluca... minha maluca. - ele disse aproximando-se de novo dela.
- Eu estou com medo. - ela admitiu chorando
- Eu também. - ele disse fechando os olhos e passando uma mão em volta da cintura dela e a trazendo mais para perto, enquanto a outra, permanecia em sua nuca. - Quero você toda noite dormindo junto comigo, quero que seja a mãe dos meus filhos, quero o teu beijo, teu corpo... Eu quero você Vanessa, sempre. - ele garantiu.
- Não esta brincando esta? - ela perguntou sem acreditar na palavras que ouvira nos últimos minutos
- Não Vanessa. - ele disse sorrindo – Eu te amo. Céus, como eu te amo!
- Oh Zachary! - ela disse jogando os braços em volta do pescoço dele e o abraçando com força. - Promete não ficar entediado nem enjoar de mim? - ela perguntou se afastando para encará-lo - Não sentir falta da aventura?
- Você é minha aventura Vanessa. - garantiu colando rapidamente seus lábios – Sinto sua falta...
E então não foi preciso mais falar. A boca de Vanessa se juntou a dele em um beijo lento e carinhoso que fez o seu coração se encher de calor.
Ele a amava...
Ela o amava...
Quando por fim, seus pulmões implorarão por ar eles se separam, apenas para ficarem se olhando, e então o silencio que se formou não foi tenso ou pesado... foi apenas reconfortante e cheio de significado.
- Isso parece tão irreal.
- Eu pareço irreal? - ele disse sorrindo divertido
- Você não, - ela respondeu lhe dando um leve tapa no braço - o momento.
Ele colou os lábios no dela novamente em uma caricia carinhosa.
- Até que você não é tão irritante, assim. - ela brincou e ele riu fazendo o coração dela bater alegre também.
- Aah, quase esqueci. - ele disse dando um passo pra trás.
Desconfortável pelo fim da proximidade Vanessa não afastou o olhar do dele em nenhum segundo.
Pegando uma pequena caixinha do bolso da calça, ele voltou a ficar com o corpo colado ao dela, enquanto tirava o anel que ali fora guardado. Julgando ser a antiga aliança, Vanessa se surpreendeu quando viu o novo anel delicado.
- Casa comigo de novo Vanessa, porque dessa vez eu quero namorar você. - ele pediu escorregando o anel pelo dedo dela.
Ela levou a mão na boca, sentindo os olhos voltarem a ficar embaçados pelas lagrimas, e então abraçou ele com força:
- Oh, Zac, eu nem sei o que dizer!
- Que tal um “sim”? - ele disse parecendo bastante nervoso.
Ela riu nervosa e deu um pulo fechando as pernas em volta da cintura dele. Surpreso ele quase perdeu o equilíbrio.
- Ei, mocinha! - ele disse segurando-a pelas nádegas
- Sim! - ela gritou e logo lhe deu um beijinho – Sim, sim, sim, sim … - ela começou a repetir sem parar
- Tudo bem, acho que entendi. - ele disse rindo, enquanto ela distribuía beijos por todo o seu rosto e pescoço
- Oh, eu te amo tanto Zachary! - ela disse com os olhos cheio de paixão.
- Eu te amo muito mais, minha Vanessa... - ele garantiu sentindo-se o homem mais completo da Terra.
Minutos depois, os dois de mãos dadas, caminhavam rumo ao futuro.
Não sabiam o que os esperava pela frente, mas tinham certeza de uma coisa: estariam juntos se amando e construindo o seu próprio “feliz para sempre”... e isso bastava amanhã, hoje e sempre.
                                                                                                                                                           



Como são sábios aqueles que se entregam às loucuras do amor!
Joshua Cooke



Hey Girls,como prometido ai está o último dessa fic que eu amei compartilhar com vocês,espero de coração que vocês tenham gostado da fic.
Sobre a outra fic assim que estiver tudo certo eu postarei o link dela aqui ok
Bom é isso até qualquer meninas,amo vocês
xoxo











quarta-feira, 22 de julho de 2015

Capítulo 17 - Penúltimo

- Efron! Devo dizer que é um prazer para meus olhos voltar a ver a sua esposa. - o gorducho de qual Vanessa não lembrava o nome foi o primeiro a se levantar e os cumprimentar.
- Digo o mesmo sobre a sua esposa. - Zachary disse gentil cumprimentando a mulher linda e gordinha ao lado do velho.
- Vanessa que prazer em vê-la! - Lily disse levantando de sua cadeira de inclinando em sua direção, deixando claro a intenção de trocar dois beijinhos.
- Posso dizer o mesmo Lily! - Vanessa disse retribuindo os beijinhos da mulher, porem com a voz bastante irônica.
- Estamos com saudades suas na empresa Hudgens... ou melhor, senhora Efron. - um dos acionistas disse impedindo que o clima ficasse tenso. - Ninguém é tão atenciosa quanto a você.
Era impressão de Vanessa ou Lily avia torcido o nariz?
- Oh senhor Mattos, - ela disse feliz por conseguir lembrar o nome dele – fico encantada com o elogio e feliz de enfim conhecer a sua esposa. - a mulher ao lado dele sorriu encabulada e finalmente Zachary e Vanessa se sentaram a mesa.
Os talheres de prata reluziam em conjunto com os pratos de porcelana trabalhados em pinturas delicadas, mas nada chamara mais atenção de Vanessa do que o vestido de Lily.
A mulher usava os cabelos soltos, com brincos e colar de perolas, que lhe realçavam o colo e os seios. O vestido ficara na altura das joelhos e era vermelho, com as costas totalmente abertas até a altura do quadril. Na frente, e decote ficava a três dedos abaixo dos seios, tornando a vista do vale entre eles bastante exposta. Tinha que admitir, Lily estava sexy e podia fazer com que qualquer homem suspirasse, ainda mais com aquelas botas de couro preto...
Parecendo ler-lhe os pensamentos Lily lhe disse de maneira cortês:
- Adorei seu vestido.
Vanessa esforçou para não corar. Seu vestido era lindo sim, sem duvida... Pegara emprestado de Ashley e sem duvida era lindo. Um longo extremamente colado ao corpo, dourado e brilhoso, exatamente qualificado para ser usado à noite. Seu decote era em formato de “V”, mas não tão ousado quanto o dela. Seus brincos de ouro em formato de argolas, deixavam o seu pescoço em evidencia e o coque que prendia o seu cabelo, meio preso meio solto, lhe emoldurava o rosto.
- Obrigado. Achei o seu muito bonito também. - ela respondeu forçando um sorriso falso.
Tentando prestar atenção no que Zachary conversava com um dos acionistas que ela não lembrava o nome, quase não ouviu quando a mulher linda e gordinha lhe perguntava a quanto tempo era casada.
- Dois meses e quinze dias. - ela respondeu não se importando o quanto aquilo poderia parecer idiota.
- Oh, são recém-casados. - a mulher disse maravilhada - Onde passaram a lua-de-mel?
“ Oh, não, nosso casamento é um contrato não é real. ” - ela teve vontade de responder.
- Na verdade, ainda não tivemos tempo para planejar uma.
- Oh entendo, eu e meu marido fizemos a nossa depois de três anos de casados, imagine só! - a mulher riu.
“O meu casamento não vai ter nem mais três meses...” - ela novamente teve vontade de responder.
Para sua sorte o jantar começou a ser servido e a mesa ficou mais silenciosa. Depois de por fim terem comido a sobremesa a mesma mulher voltou a falar-lhe:
- Eu achei o seu vestido magnifico! - ela disse sorrindo de forma sincera – A cor ficou perfeita junto com o contraste dos seus cabelos.
- Obrigado. Eu devo admitir que estou encantada é com a cor do seu vestido - Vanessa disse a verdade um tanto encabulada – Na verdade eu acho que deveria ter colocado algo mais colorido.
- Bobagem! - a mulher disse lhe dando um tapinha na mão.
- Concordo com Vanessa... uma cor mais chamativa lhe cairia muito bem. - Lily disse tentando usar aquele tom de “melhores amigas”.
- Eu acho que ela esta linda. - a mulher disse calma – Creio que à noite cores muito chamativas não caem tão bem. A menos é claro para as prostitutas... - a mulher disse parecendo inocente.
- Uma cor mais viva deixa qualquer mulher mais provocante e sexy. - Lily disse parecendo tentar persuadir a mulher.
- Não concordo com você. Dependendo da mulher e do vestido que ela usa, serve apenas para deixá-la vulgar. - um brilho de desafio apareceu nos olhos de Lily, mas antes que ela pudesse falar qualquer coisa a mulher continuou parecendo bastante relaxada - Eu na verdade achei o seu vestido bem vulgar. Vulgar até demais. - a mulher disse sem rodeios olhando Lily de frente.
Por alguns segundos Lily pareceu envergonhada e então soltou um sorrisinho levantando:
- Todos tem uma opinião diferente. Se me dão licença, vou buscar outra taça de champanhe. - e saiu pisando firme.
- Desculpe. - a mulher falou para Vanessa – Por algum motivo eu não a suporto.
- Partilhamos do mesmo sentimento. - Vanessa disse divertida vendo o olhar envergonhado da mulher.
Minutos se passaram e felizmente Lily não havia voltado.
- Vou ao banheiro. - Zachary disse junto ao seu ouvido enquanto ela e a mulher conversavam sobre receitas de bolos.
- Tudo bem, vou lhe esperar aqui. - ela disse sorrindo enquanto Zachary se afastava.
- Estou começando a ficar preocupada com Zachary. - Vanessa confidenciou para a sua nova amiga.
- Relaxe. Deve ter encontrado alguém conhecido e ter ficado falando de negócios.
- Chame de instinto se quiser mas sinto que algo não vai bem.
A mulher a olhou por alguns segundos antes de dizer:
- Se é assim, talvez fosse melhor você ir atras dele... Não creio que esteja bêbado, mas pode ter esquecido o número da mesa ou algo assim.
Vanessa duvidava muito desta hipótese mais mesmo assim levantou-se pediu licença aos demais e começou a caminhar em direção aos banheiro com os olhos correndo por todos os lados.
Chegando ao jardim com a iluminada piscina ela correou os olhos pelos casais e seu olhar parou detectando Lily... e Zachary.
Seus pulmões doeram e ela se lembrou de respirar... Aquele era Zachary conversando com Lily? Mais é claro que aquele era o Zachary!
Respirando fundo ela caminhou até eles.
- Zachary, quero ir pra casa. - ela disse em um tom alto e confiante.
Céus, como estava com raiva.
- Vanessa, eu estava conversando com Lily... - ela o interrompeu
- Eu percebi. - ela o cortou - Você vai me levar pra casa ou devo chamar um táxi?
Zachary a olhou em silencio por vários segundos, assim como Lily, que parecia surpresa com a sua reação.
- Claro que vou te levar. - ele disse tentando sorrir.
- Mas ainda é tão cedo e... - Foi a vez de Lily ser interrompida por Vanessa
- Cala a boca. - Vanessa disse encarando a mulher de frente – Eu estou falando com o meu marido, não com a prostituta dele.
Zachary pareceu tão chocado quanto Lily com a resposta, mas ela não esperou para ver ser algum deles diria alguma coisa, apenas virou as costas e começou a ir em direção a porta da saída.
Logo Zachary estava do seu lado com o maxilar apertado, acompanhando-a até o local onde o carro os estava esperando.
Nenhum dos dois falou uma palavra se quer até chegarem em casa.
Zachary mal tinha parado o carro e Vanessa já tinha pulado para fora. Ela sentia a raiva correndo por suas veias e pode jurar que estava prestes a matar alguém.
Digitou o código de segurança e entrou na casa com os passos rápidos:
- Você não pode me dizer o que esta acontecendo? - ele perguntou enquanto ela ia em direção as escadas.
- Nada para de falar. - ela gritou brava.
Nunca sentirá tanta raiva na vida!
- Sera que dá pra esperar antes de me acertar com a pia da cozinha ?! - ele perguntou irônico a seguindo pelas escadas – Se eu ao menos soube o porque você esta tão brava eu... - ela o interrompeu aos gritos:
- Eu não aguento isso Zachary!
- Aguenta o que? - ele quis saber começando também a gritar.
Ela sentiu as lagrimas começarem a cair de seus olhos e não as impediu, deixou que viessem.
- Até quando vamos ficar brincando de casinha ? De papai e mamãe ? Eu não aguento mais isso! - ela gritou sentindo o corpo todo tremer de raiva – Eu não sou uma idiota Zachary, então não tente me fazer parecer uma! Se quer tanto transar com Lily, não pode ao menos esperar para fazer isso em um lugar onde não tenha tanta gente?
- Do que você...?! - ele entendeu e correu a agarrando pelos ombros – Não seja tola eu não estava flertando com Lily! Você me conhece bem o suficiente para saber que eu nunca faria isso! - ele a sacudiu pelos ombros – Ainda mais agora que as coisas entre nos estão cada vez melhores!
- Na cama você quer dizer, porque é só lá que as coisas ficam realmente boas entre nós. - ela não parava de gritar
- Não faça isso Vanessa. Não tente tornar feio uma coisa tão bonita que esta nascendo entre nós.
- E o que esta nascendo entre nos Zachary? - ela gritou lhe dando tapas por todo o peito musculoso.
- Eu não sei, mas é algo que eu quero preservar. - ele disse agora com a voz baixa – Eu fui até o banheiro e saindo de lá encontrei Lily, ela me disse que Jack Duarte queria me falar um segundo e eu fui ao encontro dele, quando você chegou ele tinha ido a procura de um ponche. - ele explicou enquanto ela mordia o lábio inferior se recusando a soluçar - Não vou brigar com você por causa de um ataque de ciúmes... Vamos para a cama e … - ela o empurrou com força sentindo o orgulho ferido.
- Você já me trouxe pra casa, pode voltar a aproveitar o resto da noite com a Lily. Eu não me importo contanto que seja discreto... - ela mal podia acreditar no que ouvia.
- Vanessa... - ele tentou recomeçar a falar, mas ela voltou a interrompê-lo
- Eu vou pro meu quarto. - ela anunciou em um tom que garantia que não havia outra opção – Sinto muito mas não vou poder diverti-lo essa noite.
- Não fale como se fosse uma prostituta. - ele disse apertando novamente o maxilar
- E isso faz alguma diferença pra você?
Ele não pode responder porque a porta grande e pesada do antigo quarto dela havia se batido com força, deixando todo o corredor em silencio.
- NÃOOO! - Ash disse com os olhos arregaladas e as mãos na boca – Você não fez isso!
- Sim, eu disse. - Vanessa respondeu sentindo aquela pontada de satisfação.
Ashley parecia terrivelmente apavorada... Também puderá, até mesmo Vanessa ainda estava surpresa com a própria atitude na noite anterior.
- E depois? - Ash perguntou curiosa – O que ela falou?
- Ela não disse nada. - Vanessa falou dando de ombros – Também não lhe dei tempo para fazê-lo. Virei as costas e saí.
- E Zachary lhe acompanhou ou ficou com ela?
- Sim. - ela disse de maneira fria.
Ashley estreitou os olhos como se quisesse ver por dentro de seus olhos:
- Vocês brigaram não é?
- É... mais ou menos... - Vanessa disse na retaguarda tentando esconder a aflição
- Qual foi a desculpa de Zachary?
- Ele disse que estavam falando com um tal de Jack Duarte, e que o homem tinha saído em busca de um ponche quando eu cheguei.
- E se Zachary estiver falando a verdade?
Vanessa ficou alguns segundos em silencio... Já havia perdido a conta de quantas vezes se fizera aquela mesma pergunta durante a noite.
- As coisas não mudariam tanto assim. Com o vestido que Lily estava usando não acho que ficar na companhia dela tenha sido um grande sacrifício.
- Ah, agora eu entendi! - Ash disse soltando uma leve risadinha
- Entendeu o que? - Vanessa perguntou tendo quase certeza de que se zangaria com a resposta.
- O motivo de você estar brava não é o fato de Zachary tê-la deixado sozinha alguns minutos e sim o fato dele ficado alguns minutos com Lily.
- Esta insinuando que eu estou com ciúmes? - Vanessa perguntou irritada
- E não esta? - Ash a desafiou.
- Claro que não! - Vanessa rebateu indignada
- Não minta! - a loira disse com aquele sorrisinho – Isso é puro e total ciúme!
- Não seja idiota!
- Então porque ficou tão brava quando viu os dois juntos?
- Ashley ele é meu marido! - ela disse balançando as mãos – E deixamos bem claro desde o inicio sobre a discrição que deveríamos ter sobre relacionamentos fora do casamento.
Ashley pensou um pouco e teve que concordar:
- É verdade, me lembro de termos exigido discrição.
- Então! - Vanessa disse parecendo aliviada – Ele estava flertando com ela em publico e na frente de toda aquela gente!´Eu não vou passar por idiota!
- Tem certeza que é só isso Vanessa? - Ash parecia desconfiada
- É claro! Porque não seria?
- Porque existe um jeito muito fácil de dar o troco nisso... - o olhar de Ash era divertido e diabólico ao mesmo tempo.
- Sobre o que você esta falando?
- Saia com outro cara. Dê o troco em Zachary. Mostre pra ele como é bom ser passado pra trás.
Vanessa sentiu os cabelos da nuca se arrepiarem. Sair com outro cara? Ashley estava maluca?
- Eu nem sequer conheço tantos homens assim aqui.
- Você não, mas eu sim. Se quiser te apresento um amigo o nome … - Vanessa a interrompeu
- Eu não vou sair transando com qualquer um!
- E quem falou em sexo? Sai, jante e deixe Zachary morrendo de ciúmes assim como ele fez com você.
- Eu não fiquei com ciúmes! - ela rebateu na mesma hora parecendo ofendida
- Tudo bem... - a loira disse revirando os olhos - … você não ficou, estava apenas preservando a imagem de seja lá o que for! Olhe pense bem, se você fizesse isso … - o barulho da porta as interrompeu. Zachary havia chegado em casa.
As duas ficaram em silencio e segundos depois Zachary apareceu se juntando a elas:
- Ash. - ele disse forçando um sorriso – Como você esta?
- Bem e de saída. - a loira informou ignorando o olhar suplicante de Vanessa
- E o bebê?
- Arg.. continua me deixando enjoada. - ela fez uma careta e logo foi na direção de Vanessa lhe dando um abraço – já sabe.. se precisar.
- Não vou precisar. - ela garantiu sabendo perfeitamente do que Ash se referia.
- Você que sabe. Mas é uma boa ideia! - ela acrescentou indo em direção a porta – Tchau! - ela gritou já do lado de fora.
Assim que Vanessa ouviu o “tchau” de Ashley, virou-se sem encarar Zachary e começou a caminhar em direção as escadas.
- Temos que conversar. - ele disse logo atras dela
- Temos? - ela perguntou parando e o encarando por cima da ombro
- Sim. E você sabe. - ele insistiu
- Sei? - ela disse cruzando os braços em frente ao peito
- Vamos ficar nisso? - ele perguntou com ar zombeteiro
- Vamos? - ela provocou com o tipico brilho de desafio nos olhos
Zachary suspirou mostrando impaciência e logo tratou de também cruzar os braços.
- Porque tem quer ser sempre tão estressante brigar com você?
- Estressante?
- Chega! - ele explodiu – Você parece uma criança quando age desse modo.
- Oh, então deveria subir para o meu quarto e como castigo ficar sem jantar para pensar no que eu fiz? - ela estava mesmo disposta a brigar
- Sim, talvez devesse. - ela fez menção a começar a subir as escadas mas ele tratou de dizer – Mas não agora. Primeiro vamos conversar.
Ela parou no primeiro degrau da escada e o olhou com impaciência:
- Porque eu tenho a impressão de que não vou gostar da conversa?
- Porque você realmente não vai. - ele disse sincero.
- Então vai lá, comece. - ela provocou voltando a cruzar os braços
Zachary ficou alguns minutos em silencio, pensando nas palavras certas para usar e de repente começou a falar:
- Você estava enganada ontem. - ele suspirou – Eu não estou nenhum pouco interessado em Lily. Como eu lhe disse estávamos com Jack Duarte e por coincidência quando você chegou ele tinha ido buscar uma bebida. E cale a boca, só eu falo. - ele tratou de avisar quando ela abriu a boca para retrucar – Você me disse que não aguenta mais brincar de casinha… eu também não aguento mais brigar com você por causa da Lily.
- Posso falar agora? - ela perguntou em um tom brincalhão.
- Porque você não gosta da Lily?
“Porque a Ashley tem razão, eu morro de ciúmes de você”
- Eu simplesmente não gosto dela.
- Simples assim? Sem motivo nenhum?
- Simples assim. - ela garantiu dando de ombros.
Zachary suspirou. Estava a cada dia mais difícil entender Vanessa... Porque mulheres tem sempre que ser tão complicadas?
Um silencio bastante significativo pairou sobre eles.
- Ontem … - ela começou insegura e gaguejando – Quando você disse que... que.. quando você deu a intender que tinha algo entre nos...
- Eu estava falando a verdade. - ele garantiu - Nos dois sabemos disso e eu estou disposto a fazer qualquer coisa para que possamos tentar, não sei, talvez ficar juntos.
O coração de Vanessa passou a bater em uma pulsação desenfreada enquanto os pensamentos voavam afoitos em sua cabeça. Um brilho de esperança estava brotando de algum lugar no seu peito...
- Qualquer coisa? - ela perguntou enquanto ele dava um passo a mais para frente.
Ele apenas assentiu e continuou se aproximando. Ele encarou Vanessa diretamente nos olhos parando em sua frente a pouca distancia, e ela agradeceu por ter continuado no primeiro degrau da escada, porque agora, ambos estavam da mesma altura.
- Qualquer coisa … - ele garantiu com a boca a milímetros da dela.
Vanessa sentia a respiração dele contra sua pele... a aproximação... a boca... Tentando pensar com clareza ela pediu:
- Demita Lily.
Os três passos que Zachary retrocedeu, foram como um banho de água – estupidamente – fria para Vanessa.
- O que ? - ele perguntou franzindo as sobrancelhas
- Demita Lily. - ela repetiu
- Você...você sabe o que esta me pedindo?
- É claro que sei. - ela disse dando de ombros
- Eu não vou fazer isso. - ele disse sério.
E então todas as esperanças de Vanessa murcharam. Ele não queria demiti-la...
- Você disse qualquer coisa. - ela o desafiou
- Mas isso é loucura! - ele disse sem alterar a voz
- É loucura porque não quer demiti-la?
- É loucura porque apesar de você não gostar dela eu não tenho motivos para isso! Eu não teria nem alguém qualificado para ocupar o cargo dela.
- Eu volto a trabalhar para você. - ela disse decidida a fazê-lo mudar de ideia
- Se você trabalhasse pra mim novamente a última coisa que eu pensaria é em negócios. - ele garantiu a fazendo corar
- Você não quer demiti-la por não saber o que escrever na demissão? - ela disse provocativa
- Vanessa, não vamos começar tudo outra vez... - ele pediu suspirando. - Eu realmente não posso demiti-la a menos que ela me de algum motivo para isso.
“E tentar seduzir você já não é um ótimo motivo?”, ela mordeu a língua para não perguntar.
- Talvez você não a demita nem mesmo se ela der. - “Se já não deu...”
Ela não podia continuar com aquilo, com aquela desconfiança. Definitivamente não podia. E o comentário que Zachary lhe fez logo em seguida só serviu para piorar as coisas e a deixar realmente muito brava:
- Você não sabe do que esta falando. - Lily disse suspirando – Você fala como se eu já tivesse transado com ela, quando eu ainda não o fiz.
Ainda... a dor que Vanessa sentiu a fez respirar fundo, sentindo os pulmões falharem.
- Você tem razão. - ela disse com um sorriso cheio de ironia e raiva – Eu não sei do que eu estou falando.
Zachary arregalou os olhos parecendo não ter se dado conta do que havia acabado de falar.
- Você... - ele começou a falar mais ela o interrompeu começando a subir as escadas
- Nosso contrato nos obriga a ficar mais 3 meses e meio juntos, - ela disse subindo as escadas – só não sei se eu vou aguentar tudo isso.
- Do que você esta falando? - ele perguntou parecendo apavorado
Ela pode ouvir quando ele começou a subir as escadas e se apressou:
- Vou pro meu quarto, estou atrasada.
- Atrasada para que? - ele quis saber
- Para sair. - ela respondeu fechando a porta do quarto e dando duas voltas na chave.
O choro estava preso em sua garganta, mas ela não se permitia chorar mesmo estando segura na “fortaleza” de seu quarto. Não iria sofrer e nem ficar se lamentando...
Ainda...
Vanessa nunca havia odiado tanto uma palavra na sua vida!
Uma lagrima teimosa começou a escapar do olho e ela a secou decidida. Ashley tinha razão; se Zachary estava planejando dormir com Lily, ela daria o troco nele! Não seria a única idiota da história.
Apanhou o celular e discou o número de Ashley, a loira atendeu no terceiro toque:
- Alô?
- Seu amigo esta livre esta noite as nove horas?
Eram quinze pra noves quando a campainha tocou. Vanessa já estava pronta a alguns minutos bastante satisfeita com o seu visual. Uma calça jeans preta juntamente com uma camisa branca que lhe acentuava a curva dos seios, e um sinto bastante grosso envolto em sua cintura na altura do umbigo. O cabelo estava preso em um rabo de cavalo deixando o rosto bastante em evidencia, com os olhos e boca bem pintados.
Desceu as escadas apressada antes que Zachary tivesse a chance de aparecer e fazer alguma coisa que a deixaria envergonhada. Não estava nem um pouco arrependida... Ainda.
Ela abriu a porta e o homem a olhou dos pés a cabeça:
- Você deve ser Alex. - ela disse também o avaliando
- E você Vanessa. - ele disse abrindo um sorriso simpático.
- Podemos ir? - ela perguntou torcendo por não parecer apressada
- Claro. - ele respondeu lhe oferecendo a mão.
Ela aceitou a mão que lhe era estendida e virou-se pra fechar a porta.
- Aonde você vai? - a voz de Zachary vinha da escada e foi impossível que ela não se vira-se para olhar.
- Vou sair. - ela respondeu satisfeita pela cara dele.
Ela fechou a porta e ele não tentou impedi-la. Se quer disse algo do tipo “daqui você não sai”. E foi impossível ela não se sentir mal. Queria vê-lo bravo, com... com... ciúmes talvez? Sim, ciúmes.
Durante todo o tempo, ela se perguntava o que Zachary deveria estar pensando...
- Vanessa? - Alex disse sorrindo
- Desculpe... O que você disse?
- Se você gostou do peixe.
- Sim, esta ótimo.
- Que bom, porque você esta comendo bife. - ele disse rindo e ela corou se sentindo estupida.
- Desculpe.. não estou sendo uma boa companhia hoje.
- Bobagem, estou adorando conversar com você. - ele disse tomando um gole de vinho – Espero que o seu marido não queira me matar depois. Ele é aquele cara com raiva que perguntou onde você ia?
Vanessa arregalou os olhos e logo tentou desmentir:
- Não, não sou casada.
- Sério? - ela assentiu – Você tem uma aliança no dedo. - Novamente ela se sentiu estupida e corou – Então, quanto tempo de casados?
- Dois meses e meio.
- Como se conheceram?
- Ele era meu chefe. - Não tinha mais motivos para mentir
- Puxa, isso é emocionante. - ele disse parecendo interessado – E posso perguntar porque brigaram?
Será que ele não errava uma?
- Por causa da secretaria dele. Ele não quis demiti-la... - ele voltou a adivinhar
- E aposto que a******** fica dando em cima dele.
- Exatamente! Como você adivinhou? - ela perguntou começando a ficar assustada
- Isso esta escrito na sua testa. - ele disse depois de soltar uma risadinha – E então, qual é o plano? Sair comigo pra ele ficar se mordendo de ciúmes?
Ela corou ainda mais... Preferiu não mentir, afinal, ele estava sendo tão simpático.
- Na verdade é isso mesmo. Desculpe eu não sei onde estava com a cabeça quando liguei para Ashley e pedi para ela marcar o encontro! Estou tão envergonhada … - ele riu de novo
- Do que você esta falando? É um ótimo plano! - ele parecia divertido – Na verdade estou sentindo a adrenalina correr pela minhas veias por estar no meio de tudo isso! É exitante!
- Você não esta... chateado?
- Não! - ele respondeu rindo – Na verdade eu aceitei o encontro porque Ashley insistiu. - ele fez uma careta – Sabe como é, você é super bonita, mas… não é bem o meu tipo. Prefiro músculos, tórax definidos... Esse tipo de coisa - Vanessa arregalou os olhos
- Você... você é gay? - ela perguntou
- Você não tinha desconfiado? - ele perguntou divertido e ela negou – Nem quando eu elogiei os seus sapatos?
Foi a vez dela rir.
- Bom, obrigada então. - ela disse sorrindo
- Não tem de que. - ele respondeu sorrindo – Que tal esticarmos mais um pouquinho a noite? Tem uma boate aqui perto que é excelente!
Vanessa olhou para o relógio. Eram treze para a meia noite... não tinha problema ficar mais um pouco, tinha? Afinal fazia tempo que não se divertia tanto. Alex sem duvida era uma ótima companhia.
- Acho que talvez uma ou duas horas não farão mal a ninguém. - ela disse concordando.
Assim como Alex havia lhe dito a boate era excelente e estava cheia.
Gay... ela nunca teria imaginado. Ele estava tão masculino e bonito dentro da camisa social que varias mulheres não disfarçavam o olhar minucioso em cima dele.
Vanessa não se recordava a ultima vez que havia dançado tanto em sua vida. Sua camisa estava colada ao corpo devido ao suor e a de Alex não estava diferente.
- Olha aquele cara a sua esquerda... - ele lhe confidenciou enquanto dançavam - … ele é um gato! Pena que esta interessado em você...
Vanessa olhou para trás e encontrou o homem do qual Alex se referia. Era muito bonito sem duvida, porem, era alguns centímetros mais baixo que Zachary.. e o cabelo era claro de mais. Os ombros também não era tão largos como os de Zachary.
Zachary … - como ela havia conseguido esquecer dele durante tantas horas?!
- Acho que já esta na hora de ir embora. - ela disse olhando para o relógio que marcava três e cinquenta da madrugada.
- Tudo bem vamos.
- Não, pode ficar eu chamo um táxi.
- E estragar toda a encenação? - ele lhe deu uma piscadela – Nada disso, vamos.
Ele a pegou pela mão e a levou até onde o carro estava estacionado.
- já pensou o que vai dizer para ele? - Alex  perguntou quando estavam a poucos quarteirões da casa de Zachary.
- Vou dizer a verdade... que saímos para jantar e fomos dançar. - ela disse tentando ignorar a pitada de ansiedade
- E vai dizer pra ele sobre a minha opção sexual?
- Talvez.
Alex assentiu e logo o carro entrava pelo portão principal da casa.
- Obrigado por tudo. - ela agradeceu assim que fechou a porta do carro.
Ele lhe mandou um beijo e arrancou com o carro.
A casa estava em total escuridão quando ela entrou. O ambiente mergulhado no silencio mostrava que Zachary não a esperava.
“Ótimo, ele definitivamente não se importa!” - admitiu para si mesma tentando ao máximo ignorar a pontada de decepção que lhe atingia o coração.
Como uma adolescente fugitiva, ela tirou o salto alto e começou a subir as escadas tentando não provocar ruido nenhum.
Ela passou pela porta de seu quarto e para a sua surpresa uma mão lhe agarrou o ombro. Foi tudo tão rápido que Vanessa só percebeu o que estava acontecendo quando se sentiu esmagada entre a parede e um corpo másculo e firme que ela conhecia muito bem:
- Eu vou matar aquele cara, me ouviu? Só não sei se antes ou depois de você!
Algo no tom da voz dele a deixou assustada:
- Você esta me machucando... - ela disse num sussurro falhado e ele se afastou um pouco diminuindo a pressão
- Eu quero saber onde vocês foram, e quero saber quem ele era também. - não era uma pergunta era uma ordem direta
- Fomos jantar e depois saímos para dançar. - ela não sabia porque exatamente estava respondendo, afinal não deveria fazê-lo, e estava se sentindo estupida por tudo isso.
Zachary apertou tanto o maxilar que ela jurou ter ouvido o barulho de algo trincando. Por algum motivo, uma necessidade imensa tomou conta dela e ela falou de maneira calma :
– Ah, e o nome dele é Alex e ele é gay.
Zachary a encarou como se lhe lesse a alma e ela sabia que ele estava procurando pela verdade... E a encontrou sem nem mesmo precisar perguntar mais alguma coisa, e ele entendeu tudo.
Ela havia feito aquilo para lhe causar ciúmes e pelos deuses ela havia conseguido!
- Nunca mais faça isso comigo Vanessa, você me ouviu? Nunca! Céus, eu quase morri de ciúmes pequena! - e então novamente para a surpresa de Vanessa ele a beijou da forma mais doce e carinhosa que possa se imaginar.
- Então, vocês estão de bem novamente? - Ashley perguntou a olhando pelo grande espelho
- Na verdade não sei. - Vanessa admitiu fazendo o mesmo – Ontem, depois que eu cheguei e ele estava em meu quarto, aconteceu tudo depressa. Ele me beijou e de repente estamos tendo um orgasmo de baixo do chuveiro. - Ash deu uma risadinha – Depois deitamos na minha cama e dormidos abraçados.
O silencio entre elas durou alguns minutos, dando tempo o suficiente para a cabeleireira cortar a franja de Ashley;
- O que você achou? - Ashley perguntou levantando-se da cadeira giratória e chaqualhando a cabeleira recém cortada
- Ficou ótimo! - Vanessa elogiou a olhando pelo espelho.
- Sabe o que eu acho?
- O que? - Vanessa perguntou enquanto a cabeleireira terminava o corte de seu cabelo
- Que você devia ir vê-lo. Sabe uma visitinha casual no serviço do seu marido.
- Porque eu faria isso? - Ela perguntou virando um pouco a cabeça e fitando a loira pelo canto do olho
- Vamos ser francas por apenas alguns minutos Vanessa... você esta apaixonada por ele. E pelo acesso de ciúmes que ele teve, não duvido que ele sinta o mesmo.
- O que você quer dizer exatamente? - Vanessa perguntou desconfiada
- Quero dizer: porque vocês não se dão uma chance? - a loira disse ajeitando a franja em frente ao espelho – Vai em frente e se joga!
- Me jogar? - Vanessa disse rindo sem vontade – Me jogar onde Ashley?
- Você entendeu...! - a loira respondeu com um careta.
A cabeleireira simpática, interrompeu-las e pediu que Vanessa se senta-se em outra cadeira. Ela fez o que lhe foi pedido e logo Ashley parou em sua frente com as mãos na cintura.
- Se você quiser, eu vou com você. - ela se ofereceu
- Ver o Zachary? - Ash riu
- Não! Chris obviamente. - disse balançando os ombros
- Não sei... - Vanessa disse enquanto sentia a tinta sendo aplicada em seu cabelo
- O que de pior pode te acontecer? - ela disse com os olhos arregalados – Ele estar em uma reunião e você ter que esperar alguns minutos até que ele possa recebe-la? - ela ironizou
- O que ele vai pensar quando me vir?
- Que você foi ver ele... Homens gostam de ser paparicados! - ela disse com ar de professora – Se sentem importantes com isso.
Vanessa não se aguentou e teve que rir. A cabeleireira, que ouvia toda a conversa, também soltou uma risadinha e logo concordou com o que Ashley disserá:
- Tenho certeza que seu marido vai adorar o seu novo look. Siga o conselho da sua amiga e va vê-lo! - ela lhe falara.
- E serve também de alertar para Lily. - Ash disse tentando convence-la a todo custo – Vamos de uma chance ao seu casamento!
- Não é porque vai se casar com o Crhis que todo o restante das mulheres também tem de faze-lo. - Vanessa retrucou
- Isso não tem nada a ver com o meu casamento e sim com o seu! - ela lhe garantiu
- O meu casamento não passa de um contrato e você sabe disso! Ele tem uma data de validade. - Vanessa disse figindo indiferença
- Ótimo, mais um motivo para você ir vê-lo.
- Como assim? Nunca entendo as suas charadas. - ela disse mal humorada
- Vá e tente tornar esse casamento definitivamente real! Se você se arrepender, eu prometo ser a primeira a te ajudar a fazer as malas. - ela disse lhe dando um sorriso gracioso - Aproveite o novo visual sexy e vá vê-lo! Surpreenda-o! - Ash a encorajou – Vá e lhe diga a verdade... diga que o ama!
Vanessa ainda não acreditava no que estava prestes a fazer... Suas mãos estavam suando consideravelmente enquanto o carro - guiado por Ashley que não parava de tagarelar sobre os preparativos do casamento -, deslizava pelas ruas movimentas em direção as Empresas Efron`s.
O que Zachary diria quando a visse com os cabelos tingidos de castanhos? E quanto as luzes californianas? E ao novo corte do cabelo? E quanto …
- Vanessa? - Ashley gritou ao seu lado a fazendo pular – Tudo bem? - ela apenas assentiu – Você estava com uma cara de idiota diferente da habitual... parecia em transe. - ela disse enquanto entrava no estacionamento da empresa.
Onde tudo começou. - Vanessa disse para si mesma em pensamento.
Ainda se lembrava com detalhes daquele dia... daquela vaga... daquele idiota... Principalmente do idiota. Ela sorriu. Ashley tinha razão, havia chegado a hora que de resolverem o turbilhão de sentimentos que os envolvia.
O esportivo vermelho estacionado na mesma vaga de costume chamava a atenção mais do que os demais.
- Prontinho. - Ashley disse quando estacionou.
Vanessa pulou para fora do carro, sentindo o coração na garganta.
Ficou feliz quando o porteiro se lembrou dela e a cumprimentou com um simpático “bom dia senhora Efron”.
- Ótimo, - Ash disse quando ficaram sozinhas no elevador – agora você vai fazer a sua surprezinha para o seu Zachary e eu vou ver o meu Chris. Toma, pega a minha bolsa. - ela disse quando o elevador se abriu – Ela combina com a sua blusa.
- Obrigado. - Vanessa disse quando o elevador abriu.
- Boa Sorte. - a loira lhe respondeu de volta enquanto as porta do elevador se fechavam.
Vanessa fechou os olhos com a sensação de dejavu. Lá estava ela novamente naquela mesma sala, naquela mesmo andar, naquele mesmo prédio... e com aquele mesmo cara.
- Vanessa? - uma voz familiar à chamou – Vanessa Hudgens...?
- Selena! - ela disse animada para a morena de cabelos curtos em sua frente - Quanto tempo! - ela disse enquanto trocavam um abraço apertado
- Nem me fale! - a morena respondeu com um largo sorriso – Quase não a reconheci com a sua nova cor de cabelo. Adorei o novo visual Sra. Efron!
O tom de Selena era animado e Vanessa foi obrigada a rir:
- Obrigado. Na verdade acabei de fazer. Vim mostrar para o Zachary. Você sabe se ele esta na sala dele?
O sorriso de Selena desapareceu...
- Você ainda não o viu então?
- Não ainda não... Então ele esta na sala dele? Vanessa insistiu
- Não. - Selena disse parecendo nervosa – Ele esta meio ocupado agora, pediu que ninguém incomodasse.
- Puxa... Pelo jeito perdi a viajem. - Vanessa disse ainda desconfiada – Onde é que ele esta?
- Na sala de reunião. - Sel disse parecendo pensar um pouco
- OH, então não tem problema... eu o espero na sala dele. Foi um prazer te ver … - Selena lhe barrou a passagem assim que ela deu o primeiro passo
- Sinto muito, mas não posso deixá-la entrar.
- Qual é Sel? Eu sou a esposa dele. - Vanessa disse sorrindo de canto
- Sinto muito. - ela parecia realmente nervosa – Assim que ele voltar da administração eu aviso que você esteve aqui.
- Administração? - Vanessa estreitou o olhar – Ele não estava na sala de reunião? Porque esta mentindo pra mim Sel?
- Não estou mentindo! - a morena disse com enfase – Ele esta na sala de reunião e depois vai ver alguns papeis na administração.
- Vou escrever um bilhete então e deixar na sala dele.
- Não se de ao trabalho... eu mesma colocarei na mesa dele para estar certa de que ele o veja.
- Não. - Vanessa disse firme – Eu mesma vou fazê-lo. Me deixe passar! - disse quando a morena não saiu da sua frente
- Sinto muito mas não posso.
- Eu é que sinto muito, porque se não sair da minha frente vou ter que lhe lembrar quem aqui é a mulher do dono da empresa. - Vanessa disse rezando para não ser cruel demais.
- Não... posso te deixar passar.
- O que você esta tentando me esconder afinal?! - Vanessa explodiu e avançou para a frente jogando Selena para o lado
- Vanessa! - ela implorou lhe agarrando o braço – Me ouça! Você não vai querer ir lá! - baixo o suficiente para que apenas ela escutasse
- Porque não? - Selena apenas balançou a cabeça – Me solte. - Vanessa disse devagar.




Hey girls,ai está o penúltimo capítulo cheio de emoções espero de coração que vocês gostem,
Prometo que sexta-feira postarei o último capítulo e o link da nova fic ok.
Bom é isso até sexta ou qualquer hora kkk
xoxo 

 









segunda-feira, 20 de julho de 2015

Capítulo 16

Vanessa o estava evitando. A suspeita surgiu várias vezes na mente de Zachary durante os dias – oito dias para ser mais exata - que se seguiram.
Ela continuava dormindo em sua cama todas as noite, e eles continuavam fazendo sexo todas as noite. Mas depois da relação intima ela sempre virava lhe dando as costas e se encolhia. E por mais que ele tivesse tentando uma ou duas vezes abraçá-la, ela sempre dava um jeito de acabar afastando-o.
Especialmente naquela manhã, Vanessa e Ashley haviam combinado de almoçarem juntas, e os sempre intrometidos Zachary e Christopher , logo trataram de se incluir no almoço.
- Vanessa, eles chegaram. - Zachary gritou indo atender a porta, enquanto ela respondia um “já vou” - apressado.
- Olá Zac. - Ash e Chris falaram juntos quando a porta se abriu.
- Olá Chris... Ash. - os olhos de Zachary não puderam deixar de correr para a barriga de Any. Afinal, era a primeira vez que a via depois de saber da gravidez.
A loira lhe lançou um olhar desconfiado e entrou na casa, indo direto para a cozinha.
- Ashley. - Vanessa disse secando as mãos – Como esta a gravida mais linda desse mundo?
- Bem. - ele disse olhando para ver se Chris continuava na sala – Você disse alguma coisa pra Zac? - ela perguntou logo de cara
- Porque? - Vanessa ficou na defensiva
- Ele me olhou de um jeito esquisito. - ela deu de ombros e logo sorriu – Estou planejando contar hoje a noite tudo para o Chris.
Vanessa sorriu animada:
- Serio? - a loira assentiu – E como você acha que ele vai reagir?
- Não sei. Espero que não fique zangado por eu ter levado tanto tempo para contar. - ela disse enrugando o nariz
- Ele vai intender. - Nessa a tranquilizou – Agora, me ajude com as saladas.
A loira assentiu lavando as mãos e pegando uma faca:
- E você? - ela quis saber enquanto Vanessa olhava a carne no forno
- Eu o que?
- Como anda as coisas na cama do Zachary?
A tentativa de piada de Ashley não foi bem sucedida:
- Estão na mesma. - Vanessa disse dando de ombros
- Não brigaram mais?
- Não. Estamos bastante bem. - ela disse satisfeita
- Isso é ótimo. - a loira disse parecendo realmente feliz
- Hoje esta fazendo dois meses que casamos. - ela disse fechando finalmente o forno e começando a preparar o arroz.
- Parece que foi ontem. - a loira disse terminando com o terceiro tomate. - Andou falando com seus pais?
- Sim. Estão como sempre.
- Você pensa em vê-los antes de terminar o contrato?
- Talvez. Depende de como as coisas vão correr. Falando em contrato, os 500 mil do adiantamento ainda estão em mais da metade. Talvez eu nem precise dos outros quinhentos.
- E se as coisas voltarem a complicar? De onde você vai tirar dinheiro?
Vanessa ficou quieta. Ashley tinha razão. Não podia se dar ao luxo de negar dinheiro limpo. Bom, dinheiro quase limpo.
- Talvez você tenha razão. - Vanessa disse suspirando.
- Olha Nessa, - Ash disse largando a faca e o tomate – eu entendo que você não se sinta bem com esse acordo, mas... pense um pouco. Tem muita coisa em jogo.
- Você tem razão Ash, mas … - Vanessa foi interrompida pois Christopher entrou gritando:
- Vanessa. - ele entrou gritando na cozinha, e logo foi até ela lhe dando um beijo na bochecha – Cada vez que te vejo, esta ainda mais linda.
- Oh, muito obrigado Sr. French – disse entrando na brincadeira -, posso dizer o mesmo de você.
Ele riu do tom da voz dela e logo mostrou-se prestativo:
- Posso ajudar as senhoras em alguma coisa? - disse imitando Vanessa
- Sim. - Ash disse jogando o cabelo para o lado – Sumir daqui.
- Adoro a sua sutilidade meu bem. - ele disse lhe dando um beijo estralado na bochecha. Vanessa riu. - Agora sério, precisam de alguma coisa garotas?
- Não Chris. Sente e converse com Zachary, estamos bem aqui.
- Tudo bem. - ele disse assentindo e saiu da cozinha gritando para Zachary. Não demorou muito para uma música alta começar a ser ouvida.
- Onde nós fomos nos meter? - Ashley gritou falando mais alto que a música, enquanto terminava a salada.
- Você já parou para pensar no quanto nossas vidas mudaram? - Vanessa respondeu gritando e Ashley assentiu.
- Até ontem eramos duas meninas que estavam aqui apenas para melhorar de vida.
- O mundo realmente da muitas voltas.- continuou Vanessa – Eu estou casada com o cara que era meu chefe, e você está namorando um advogado... prestes a se casar. - as duas riram em altas gargalhadas.
Animada com as brincadeiras de Vanessa, Ashley gritou:
- E eu estou grávida. - porem desta vez Vanessa não riu, apenas arregalou os olhos com aquela legitima expressão de “o que você fez?” - O que foi? - ela disse cochichando e então ela percebeu. - O-h-m-e-u-D-e-u-s! - ela disse pausadamente.
Onde diabos estava a maldita música alta que as estava obrigando a gritar para se comunicar? Quem havia baixado o volume do rádio justo naquele momento?
Tudo aconteceu rápido de mais, e Ashley mal teve tempo de pensar porque além de estar confusa com relação ao sumiço repentino da música a voz de Chris soou em suas costas:
- Você esta grávida?
Ashley virou para encará-lo, mais por impulso do que por vontade própria. Ele tinha os olhos arregalados, a expressão de pânico e estava pálido... muito pálido!
Logo atras de Christopher vinha Zachary com os olhos arregalados e parecendo tão apavorado e pálido quanto ao amigo.
- Você esta grávida? - Chris repetiu dando um passo em sua direção
- Chris, calma, eu posso … - ele a interrompeu
- Você esta gravida? - ele perguntou pela terceira vez parecendo um idiota
- E-eu … - ela começou a gaguejar
- Quando você ia me contar? - logo acrescentou – Se é que você ia me contar! 
- É claro que ia! - Ashley respondeu deixando as primeiras lagrimas escaparem.
- A quanto tempo você sabe? - a voz dele era baixa mas em seu rosto todo o ressentimento estava estampado
- A alguns dias. - ela respondeu sincera. Do que adiantava mentir agora?
- A alguns dias? - ele disse com desdem – E poque acaso nesses alguns dias você não cogitou a hipótese de que eu gostaria de saber?
Chris estava fazendo uma força descomunal para não agarrar a loira pelos braços e sacudi-la até que os dentes batessem tanto que quebrassem e todos ao redor estavam percebendo isso, até mesmo Ash que finalmente desabou em pranto, chorando e soluçando, enquanto recebia o olhar duro e frio de Christopher .
- Olha, - Vanessa achou melhor intervir - estamos todos nervosos. - disse apertando gentilmente os ombros da amiga, tentando lhe passar força - É melhor nos acalmarmos para não acabarmos dizendo coisas das quais iremos nos arrepender depois. Zac, porque não leva Chris para tomar alguma coisa enquanto eu faço um chá para Ashley? Toda essa agitação pode não fazer bem ao bebê.
- Claro. - Zachary disse colocando a mão no ombro de Chris, mas ele se esquivou do contato e sua voz era cruel quando perguntou:
- Vocês sabiam? - estava claro que a pergunta havia sido feita diretamente para Vanessa e Zachary.
Parecendo envergonhado Zachary baixou a cabeça e mirou o chão enquanto Vanessa continuava encarando Christopher .
- Do que eu estou falando... - ele disse esfregando as mãos nos próprios cabelos - … é claro que vocês sabiam. Aposto que a Vanessa foi a primeira a saber assim como eu fui o último.
- Christopher ... - Ashley disse entre soluços mas ele mais uma vez tratou de ignorá-la.
- É por isso aquele papo de tirar férias Efron?
Zachary não ousou balançar a cabeça e provocá-lo ainda mais.
- Estou me sentindo um idiota! - ele disse alterando a voz enquanto Ashley continuava a soluçar – Céus, como não percebi antes? Como não percebi que era esse o motivo da sua indisposição matinal? Do seus enjoos?! Como não percebi isso antes de … de ouvir por acaso a noticia, porque você decidiu que era melhor não me contar! - ele disse em tom acusador.
- Não foi nada disso Christopher ! - Vanessa gritou quando viu que Ashley não conseguiria se defender.
- Então o que foi? - ele perguntou sem alterar a voz
- Ela estava com receio. - Nessa não quis usar a palavras medo – Não sabia como você ia reagir. Ela esta esperando uma criança não um bicho de estimação. É algo que não se tem volta... é para sempre.
- Eu sei o que é um filho Vanessa. - ele disse ainda usando do mesmo tom – Eu só queria que ela tivesse me contado ao invés de mim escutar por acaso graças ao rádio. Eu sou o pai, tinha o direito de saber!
Vanessa ficou quieta. Afinal, quem poderia culpá-lo?
- Vamos acalmarmos todos. - Zachary sugeriu – Porque não seguimos a ideia de Vanessa?
- Eu acho ótimo. - Vanessa disse.
Novamente Chris e Ashley ignoraram completamente os amigos:
- Olha, eu sei que você esta bravo e surpreso... - ele a interrompeu
- Eu diria magoado.
- E magoado. - ela concordou secando as lagrimas – Mas eu realmente iria te contar, só estava tentando te preparar e me preparar, e eu não sabia como falar... - ela falava rápido de mais tropeçando nas palavras - … sinto muito se ficou decepcionado mas... - ele a interrompeu
- Decepcionado? - ele repetiu com desdem – Você acha que eu estou decepcionado por saber que dentro de poucos meses vou ser pai?
Ela preferiu ficar quieta do que falar alguma bobagem.
- Céus, você me tem como um tirano? Um... brutamontes? - ela fitou o chão sem poder mais sustentar o olhar dele – Ashley entenda de um vez, - ele disse entre dentes – o que esta me deixando louco e com vontade de lhe quebrar o pescoço é por você não ter me dito nada! Absolutamente nada.
- Mas a criança... - ela disse voltando a ser interrompida
- A criança é o maior presente que eu podia receber! Um filho, céus, sabe a quanto tempo quero ter filhos? - ele disse com a expressão mais suavizada – Eu estou que não caibo em mim de felicidade . Eu vou ser pai! - ele disse dando o primeiro sorriso, que foi curto mais foi um sorriso – Mas o fato de você não me contar me corroí de ódio por dentro mulher!
Vanessa tinha a visão embaçada pelas lagrimas contidas e lançou um breve olhar para Zachary, que agora sorria. Ele clareou a garganta e disse:
- Bom, acho que Ashley e Chris tem muito o que conversar agora. Vanessa o que acha de deixarmos os novos papais a sós?
Chris sacudiu a mão no ar sem deixar de olhar Ashley:
- Nos vamos pra casa. Lá posso matá-la sem testemunhas. - ele disse em um tom serio o bastante para que Nessa se arrepiasse.
Quando Chris por fim se mexeu e saiu pela porta, Ashley virou-se para Vanessa e sussurrou um “desculpe pelo almoço” que foi respondido com “me ligue assim que as coisas se resolverem”. A loira assentiu e apressou o passo para alcançar Christopher.
- Ashley esta em perigo? - Vanessa perguntou a Zachary quando o carro de Chris arrancou
- Conhecendo Chris como conheço... sim. Pode sofrer sérios danos. - ela o encarou com os olhos arregalados e ele continuou – E principalmente ficar mimada pelo tanto de paparico que ele vai lhe dar.
Vanessa suspirou aliviada. Sem duvidas o almoço havia sido perdido, mas tinham um bom motivo.
E ao final daquela mesma tarde Ashley lhe ligou como o combinado.
- Então, me conte! - Vanessa pediu sentada na cama, sabendo que estava sendo observada por Zachary que estava deitado. - Vocês se acertaram? Porque parece que esta prestes a chorar?
- Esta tudo certo. - a loira garantiu – Acho que no final ele só estava tão assustado quanto eu e magoado por eu não ter compartilhado logo isso com ele.
Vanessa lembrou de quando Zachary achou o exame de Ashley e pensará que era dela. Podia-se dizer que havia tomado a mesma atitude de Chris. Ela sorriu.
- Vocês estão bem? - ela disse referente a relação
- Sim, estamos ótimos. Na verdade ele se mostrou bastante contente com a ideia de ter uma criança. Disse que já devemos começar a pensar nos nomes e também disse que a nossa menininha...
- Menininha? - Vanessa perguntou surpresa.
- Chris disse que pressente que vai ser menina. E que vai ser a cara dele. - Ash riu junto com Vanessa.
- Estou tão feliz por você. - Vanessa disse sentindo a emoção tomar conta de sua voz
- Eu estou feliz. Céus nem eu consigo acreditar, você sabia que ele é um advogado? - Vanessa voltou a rir enquanto a voz era tremula pela vontade de chorar.
- Ouvi alguns boatos sobre a profissão dele. - ela garantiu secando os olhos.
- Vou desligar Chris esta me chamando.
- Tudo bem, boa noite.
- Ah... Vanessa?
- Sim?
- Você vai ter que sair comigo para encontrar vestidos. Creio que a noiva e a madrinha não podem vestir qualquer coisa em um casamento certo?
- O que exatamente você quer dizer com isso? - Vanessa disse sentindo a vontade de chorar crescer
- Vou me casar com Chris.
- Vanessa? - Zachary gritou largando a maleta no sofá
- Aqui no jardim! - ela respondeu com outro grito.
Ele caminhou até lá e a encontrou sentada na terra, rodeada por plantas que ele mal sabia identificar, em meio ao pequeno jardim, que crescia um pouquinho mais todo o dia.
Elas, as flores, já não lhe causavam dor... não lhe lembravam a morte nem o sofrimento. Não lhe lembravam o amargo velório de seus pais... Tudo graças a Vanessa. E agora as mesmas flores que durante tanto tempo lhe transmitiam tristeza, agora lembravam ela. Sua Vanessa. Ele sorriu contente.
- Zachary! - ela gritou mostrando que já o estava chamando a algum tempo.
- Hmm?
- Perguntei se você esta bem.
- Estou. - ele respondeu confiante
- Ótimo, então porque não tira esse sorriso idiota do rosto e vem me dar um beijinho?
O sorriso dele aumentou. 
Ele deu alguns passos terminando com a distancia que havia entre eles, se abaixou e colou os lábios nos dela como uma leve caricia.
- Você é muito mazinha. - ele disse quando afastou um pouquinho os lábios
- Sou é? - ela disse com os olhos brilhando de divertimento
- Sim. - ele sussurrou prendendo o lábio inferior dele entre seus dentes e o puxando. Ela sorriu mais e então acariciou a bochecha dele.
Zachary soube que tinha alguma coisa errada no exato momento em que sentiu a mão dela inconstando nele. Sentiu algo gelado em sua bochecha e então arriscou um rápido olhar para as mãos delas.
- Você me sujou com areia?
- Não. - ela disse sem tirar o brilho de divertimento dos olhos – Isso não é areia.
- Então o que é isso? - ele disse sorrindo de forma ameaçadora
- Um tipo de fertilizante.
- Um tipo de fertilizante? - ele repetiu juntando as sobrancelhas
- Isso.
- Você colocou esterco em mim? - ele perguntou com a voz ameaçadora o bastante, enquanto ela apenas riu.
- Sim. De vegetais apodrecidos.
Sim ela era muito mazinha.
- Eu vou contar até dez Vanessa. Um.... Dois....
Com um pequeno gritinho ela saiu correndo para dentro da casa.
Quando Uckermann finalmente gritou o “dez”, ele levantou como um predador. Aquele jogo havia se tornado um passatempo para eles durante os quatro dias que haviam se passado. E agora o caçador ia em busca da caça, a qual ele podia jurar que estava escondida dentro do quarto, debaixo da cama.
Vanessa gritou em meios as gargalhadas enquanto Zachary a jogava sobre a cama e lhe fazia cocegas.
- Chega! - ela gritava enquanto ria – Para!
Zachary, que também ria, afastou-se um pouco dela e foi pego de surpresa quando a morena esticava as mãos e começava a lhe cutucar as costelas fazendo-o se esquivar:
- Hei! - ele disse em forma de repreensão e lhe agarrou os pulsos, pressionando-os logo em seguida no colchão acima da cabeça dela.
Eles ainda sorriam quando o olhar de ambos se encontrou:
- Sua monstrinha. - ele brincou.
Ambos riram.
- Como você sabia que eu estava debaixo da cama? - o sorriso dele alargou
- Intuição. - ele respondeu – Suspeitava desde o principio que você estava debaixo da cama.
Ela lhe deu um tapa no braço e fingiu indignação:
- Isso foi injusto. - ela protestou - Você sabia onde eu iria me esconder antes de eu ter me escondido.
Ele lhe revidou com um beijo estalado na ponta do nariz:
- Da próxima vez encontre um esconderijo melhor. - ele provocou.
Ela riu e o empurrou com força com as pernas para longe. Ele cambaleou e retrocedeu alguns passos quase caindo, mas foi o suficiente para que ela levanta-se da cama com um pulo e fosse em direção a porta do banheiro.
- Vou tomar banho. Ela anunciou – Toda essa correria com você além de exausta me deixou... suada demais. - ela disse enrugando o nariz de maneira engraçada.
Ele sorriu malicioso e logo tratou de também anunciar:
- Oh sim claro. Me sinto igualmente assim, vou lhe acompanhar no banho.
Ela lhe mostrou a língua e lhe disse animada:
- Negativo. Eu quero realmente tomar banho, por isso se quiser tomar banho também procure outro banheiro da casa.
Ele arregalou os olhos e abriu a boca como se estivesse bastante ofendido:
- Hei, você esta no banheiro do meu quarto.
Ela riu e lhe respondeu já dentro do banheiro;
- Foi você que insistiu para que eu dormisse aqui querido, então o quarto também é meu. - um sorriso brincava em seus lábios e a porta bateu-se com força.
Ele pode ouvir quando ela deu duas voltas com a chave na fechadura da porta.
- Sua terrível monstrinha! - ele gritou divertido enquanto dizia a si mesmo que na primeira oportunidade, iria se livrar daquela maldita chave.
Assim que ela ligou o chuveiro, ele pode ouvir o barulho da água e logo também o murmuro de Vanessa que cantarolava alguma melodia que ele particularmente desconhecia. 
Ele fechou os olhos apenas por um segundo, porem foi tempo o suficiente para ele poder imaginar o corpo nu de Nessa sob o jato de água do chuveiro, enquanto esta lhe escorria desde os seios desnudos dotados de mamilos escuros, passando pelas pernas delgadas e … Ele abriu os olhos se sentindo ofegante e com um leve comichão na virilha. Ela realmente era uma monstrinha... A sua monstrinha. Ele abriu um sorriso e achou melhor aceitar a sugestão dela e tomar banho em outro banheiro para poder esperá-la já deitado na confortável cama que agora os dois dividiam. 
Vanessa ficou no banheiro apenas alguns minutos, mas para Zachary que já a esperava deitado na cama com as mãos atras da cabeça, mais pareceram horas.
Quando ouviu o barulho da chave, anunciando que finalmente estava sendo destrancada, ele olhou em direção a porta esperando ver aquela visão gloriosa de sua esposa vestindo apenas a camisola que lhe ficava a cima das coxas torneadas e era quase transparente, tornando-a ainda mais sexy e provocante. Mas ao contrário disto quando a porta se abriu, o que viu foi uma Vanessa enrolada em um roupão de algodão. Ela abriu um pequeno sorriso ao vê-lo com os cabelos molhados esperando-a deitado na cama.
- Na cama tão cedo querido? - ela sorriu daquele modo de menino travesso que somente ele tinha.
- Pois é minha querida, - ele respondeu parecendo bastante divertido com a situação – eu acho que esta noite, em especial, vou querer outro tipo de janta... - ele disse insinuante.
Ela riu nervosa e foi em direção a porta do quarto.
- Aonde você vai? - ele perguntou sentando-se na cama
- Ao contrário de você, estou realmente faminta. - ela disse sem deixar de sorrir – Vou comer alguma coisa.
Ele murmurou alguma coisa baixo demais para que ela ouvi-se e logo ele já estava levantando da cama completamente nu.
- Tudo bem você venceu. - disse ele vestindo seu roupão, também de algodão, que era apenas alguns números maiores que o dela.
Largando o braço despreocupadamente sobre os braços dela, desceram a escada juntos. Quando chegaram à cozinha, Vanessa foi até a geladeira enquanto Zachary se escorava no ardo da porta.
- O que você vai comer? - disse parecendo falar propositalmente a frase com ambiguidade, mas Vanessa preferiu ignorar a indireta do comentário.
- Pensei em fazer alguns sanduíches. - ela disse dando de ombros – Sabe como é, pão, queijo, alface, presunto...
Ele esfregou as mãos;
- Ótimo faça logo quatro! - ele pediu
- Quatro? - ela repetiu divertida
- Sim, três pra você e um pra mim. - ela riu e começou a tirar os ingredientes da geladeira sobre o olhar minucioso dele.
- Hei Zac, porque você não vai ver se tem algum trabalho para fazer em seu escritório? - ela disse já bastante incomodada por estar sendo observado tão meticulosamente por ele.
- Não tenho. - ele deu de ombros fazendo-a bufar.
Alguns segundos no micro-ondas fora o bastante para que o queijo derretesse. Sentando-se na mesa ela apenhou um dos sanduíches e Zachary apanhou outro.
- Não se esqueça que este é o seu único sanduíche. - ela o lembrou quando faltara apenas duas mordidas para ele terminar de comer o pão entre as suas mãos. Ele lhe mostrou a língua divertido. A janta que era mais apropriada para ser chamada de lanche restabeleceu a força de ambos e depois de terminarem com a segunda travessa de sanduíches eles subiram novamente para o quarto.
Zachary foi o primeiro a entrar e o primeiro a deitar, fitando-a com aquele olhar malicioso que parecia lhe despir por completo e lhe atravessar o corpo, incendiando-a.
- Enfim recarregados. - ele disse de bom humor atirando o roupão ao chão voltando a ficar nu.
Vanessa, em especial naquela noite, parecia-lhe mais encabulada do que de costume. Ele deu duas batidinhas sob o colchão macio ao lado dele e ela soltou uma risadinha abrindo o sinto do roupão e mais uma vez Zachary se surpreendeu. Ela usava uma blusa de poliéster que apesar de bastante simples e sem estampa nenhuma lhe acentuava os seios e a curva da cintura. Porem o seu maior espanto foi ao detectar que ela estava com uma grossa e grande calça de algodão.
Ele olhou-a como se estive-se em frente a um ET, e foi impossível de Vanessa não rir. Ela deitou-se ao seu lado e a expressão dele continuava a mesma. Quando ela se tapou com as cobertas ele perguntou:
- Porque diabos você esta de calça? - seu tom não parecia mais tao divertido e sim chocado. 
Antes que ela responde-se ele soltou uma especie de gemido e se curvou sobre ela pressionando os seus lábios contra os lábios carnudos e quentes de Vanessa. Ela abriu os lábios quando sentiu a língua dele exigente traçando uma linha sensual em seu lábio inferior. As mãos dele lhe apertaram gentilmente as nádegas e ela atirou seus braços braços em torno do pescoço dele aprofundando o beijo. Ele mudou o ângulo do beijo fazendo com que as bocas pudessem se explorar ainda mais, levando-os ao topo da luxuria.
Ele a tocou nos seios por sobre a blusa e sentiu os mamilos se enrijecessem sob a sua palma e ela gemeu baixinho quando ele com o polegar e o indicados apertou os mamilos com força. Já tinham ido longe demais! - Vanessa pensou consigo mesma e gentilmente espalmou as mãos sobre o peito nu e musculoso e o afastou. 
- O que…? - ele parecia apavorado e ela sentiu a ereção forte e vigorosa dele contra as suas pernas.
- Vamos dormir Zac. - ela pediu da forma mais doce e meiga que conseguiu.
Ele a encarou perplexo como se ela lhe tivesse pedido algo como vamos assaltar um banco.
- Porque? - ele perguntou quando finalmente sua voz reapareceu ainda rouca de desejo.
Ela o mirou por debaixo dos cílios.
- Estou cansada. Quero apenas dormir. - ela respondeu e logo desviou o olhar.
Apesar do balde de água fria ele ainda sentia o corpo quente de desejo.
Entre aturdido e aborrecido ele voltou a perguntar:
- Porque você quer dormir? Esta tão cansada assim? - ou esta me evitando? ele mordeu a língua para não fazer a última pergunta.
Prontamente ele viu as bochechas delas ficarem vermelhas com o rubor que lhe subiu até as faces.
- Zac, não podemos apenas dormir?
- Não. - ele disse sincero – Me diga primeiro o que esta acontecendo.
Ela o olhou sentindo as bochechas arderam ainda mais. Porem, de que adiantava mentir? Afinal não podia ser realmente tão humilhante quanto ela pensará... Ou podia?
- Estou naqueles dias Zac. - sua voz não passou de um sussurro.
Ele a olhou por um momento parecendo estar atras da verdade.
- Só isso? - ele por fim perguntou.
- O que você achou que fosse? - sua voz parecia surpresa e um sorriso se curvou nos lábios dele.
- Nada. Não pensei em nada. - disse voltando a beijar-lhe os lábios e colando o seu corpo ao dela, de forma que deixava evidente a intensidade do seu desejo.
- Você ouviu alguma coisa do que eu falei? - ela disse entre os beijos.
- Sim. - ele respondeu sem deixar de beijá-la.
- Zac! - ela ralhou lhe apertando os ombros com força mas, sem empurrá-lo ou afastá-lo – Não!
- Porque não?
- Zac... eu estou naqueles dias. - ela repetiu pausadamente como se estivesse falando com uma criança.
-Eu sei. Já me disse isso. O que que tem?
Ele pode jurar que a cor do seu rosto quase ficará igual a cor do tomate.
- Eu não acho que seja... adequado. - ela disse hesitante.
- Tudo bem sua monstrinha. - ele disse suspirando – Você vai me matar um dia mesmo.
Ele riu jogando-se sobre seu travesseiro ao lado dela, e em nenhum momento deixou de encará-la. Ela sorriu e de repente e o rubor começou a desaparecer. Olhando-o de um jeito carinhoso ela agradeceu:
- Obrigada.
- Oh, não me agradeça! - ele disse sorrindo torto – Pode apostar que irei cobrar caro por esses dias de abstinência.
Ela riu e se aproximou mais nele se aconchegando em seus braços enquanto lhe dava um leve beijinho na bochecha. Aturdido pela nova experiencia, Zachary fechou os braços retribuindo o abraço enquanto ela afundava a cabeça em seu pescoço e seus braços se aconchegavam para mais perto de Zac assim como todo o seu corpo feminino
Zachary sentiu a leve respiração dela contra a sua pele e ao longo de todo o seu corpo podia sentir o corpo dela colado ao dele.
Minutos se passaram e ele não ousou se mexer. Ela respirava tranquilamente e logo ele pode se certificar de que ela dormia. Ele sorriu satisfeito. Era a primeira vez que ela realmente dormia em seus braços tão próxima... e carinhosa, e ele, acabou admitindo que aquilo era muito bom. Quase tão bom quanto poder chegar ao ápice do prazer junto dela. Fechou os olhos e dormiu, sem se preocupar com o sorriso bobo em seus lábios.
- Perfeito! - Vanessa disse dando um beijinho rápido nos lábios de Zachary quando terminou de arrumar a gravata borboleta que ele usava.
- Porque uma pessoa tem que fazer uma festa onde o traje apropriado é smoking? - ele perguntou pela quarta vez – Eu odeio smoking!
- E eu odeio o quanto você reclama de tudo... - ela disse rolando os olhos - … e vamos porque já estamos atrasados.
Ele a seguiu com o cenho franzido enquanto ela se equilibrava nos saltos e descia as escadas.
Assim que Zachary fechou a casa e acionou o alarme de segurança eles entraram no esportivo vermelho.
- Estamos quase chegando. - ele anunciou depois de muitos minutos em silencio.
- Algo que eu precise saber? - ela perguntou retocando o batom
- Acho que nada demais. - ele disse dando de ombros – Quando você quiser ir embora, me avise, combinado?
- Ahan.. - ela responde passando mais uma pincelada de rímel nos cílios
- Você esta linda. - ele disse quase no mesmo instante que estacionou o carro
- E você parece um pinguim. - ele fez uma careta e ela riu.
Zachary entregou as chaves ao guardador e contornou o carro abrindo a porta de Vanessa e lhe oferecendo o braço.
Ela sorriu e cuidando a barra do vestido saiu do carro.
- Talvez você esteja só um pouquinho bonito. - ela disse o fazendo rir
- Sou um pouquinho? - ele disse divertido.
Mas ela não teve tempo de responder porque logo o recepcionista lhes falava boa noite e perguntava seus nomes:
- Zachary e Vanessa Efron. - ele respondeu com a voz firme e um calafrio percorreu todo o corpo de Vanessa. 
Será que nunca se acostumaria em ser chamada assim?
- Esta com frio? - ele perguntou olhando para os seus ombros desnudos
- Não. - ela garantiu.
- Senhor e senhora Efron, a mesa de vocês é a vinte e sete. - o rapaz anunciou com um sorriso simpático – Tenham uma boa noite.
- Obrigado. - Zachary agradeceu com um de seus sorrisos cordiais.
Apoiada no braço de Zachary, Vanessa entrou pela grande porta e quase perdeu a respiração.
Uma piscina enorme enfeitada com luzes coloridas dava ao cenário uma expressão luxuosa. Pessoas riram e tomavam champanhe, outras dançavam totalmente descontraídas. Algumas ergueram as taças cumprimentando-os, outras apenas os olharam.
Seguindo Zachary em direção ao salão principal Vanessa mal pode acreditar no que via. As portas de vidro permitiam que o dourado das paredes parecesse algo terrivelmente precioso.
- Isso tudo é lindo. - ela disse junto ao ouvido de Zachary
- Estamos no salão de festas privadas de um homem que esta entre os mais ricos do mundo. Vamos encontrar todo o tipo de beleza, luxo e conforto que o dinheiro pode comprar. - ele respondeu também em seu ouvido.
Já dentro do salão ela continuava olhando maravilhada para os desenhos esculpidos na parede e para os lustres, que ela tinha quase certeza serem de ouro e carregados de diamantes.
- Ali esta a nossa mesa. - Ele anunciou depois de cumprimentar mais algumas pessoas.
Vanessa respirou fundo e precisou de toda a sua educação para não fazer uma careta. Na mesa gigante e redonda, reconheceu muitos acionistas da empresa Efron, todos acompanhados por suas mulheres, mas o que realmente lhe embrulhou o estomago e a fez bufar foi ver Lily sentada justamente naquela mesa.
Zachary pareceu perceber sua tenção, mas não lhe disse nada. Ainda bem...


Hey girls,
Aí está mais um pequeno mega capítulo espero que gostem,obrigada pelos comentários e por todo carinho com a fic.
Lembrando que o próximo capítulo será o penúltimo,até sexta devo postar ele ok
Bom é isso até qualquer hora 
xoxo